Tudo isto começou porque uma rapariga como eu sentia que havia algo a faltar na minha componente altruísta. Nunca tinha feito voluntariado e a dada altura pensei que se calhar fazê-lo poderia acrescentar-me algo como pessoa e mudar a maneira como encarava diferentes situações na minha vida. Descobri a More Together e ao início receei que pudesse não estar preparada para um desafio assim, mas depois de ponderar pensei: “Porque não?”. Inscrevi-me sem quaisquer expectativas, com uma mente aberta a novos desafios.

O primeiro dia foi o dia da descoberta, se iríamos encontrar alguém, se nos iam aceitar bem e se iríamos realmente fazer amigos. A resposta a todos as nossas questões foi um gigante SIM! Bastou um “Boa noite” para que a conversa se desenrolasse naturalmente. Se estávamos apreensivos, tudo mudou naquele segundo. Já que todas as pessoas que encontrámos estavam tão à vontade connosco sem nos conhecer, porque não estaríamos nós também? Ao longo das visitas o nível de confiança cresceu tanto que já sabem perfeitamente a que horas e dia vamos, e, se nos atrasarmos, começam a questionar o porquê de não estarmos lá à hora combinada. Pode parecer estranho, mas realmente gostam da nossa companhia e, honestamente, neste momento já nem sei quem usufrui mais dessa hora e meia que lá estamos. Voluntariado é dar-mo-nos ao outro e envolve tempo, mas aquilo que podemos receber em troca é muito grande!

Esta experiência fez-nos olhar para fora da nossa bolha e aprendemos que muitas vezes aquelas pessoas que nos passam despercebidas no nosso dia-a-dia têm histórias de vida tão emocionantes que nos fazem dar voltas ao mundo numa só conversa. Têm tantas experiências que decidem partilhar com quem os quer ouvir. Se há algo que tenho aprendido é que todos eles também são bons ouvintes. No final da noite, sobram os corações cheios e os sorrisos nas caras.

A certeza que tiro disto é que posso até não conseguir mudar o mundo, mas fico contente de pelo menos mudar um pouco o daquelas pessoas e de as incluir na minha rotina. Neste caso dá-se e recebe-se, coisas que não se vêm mas que levo comigo para onde quer que vá e com a certeza de que a minha perspetiva sobre a vida e o que me rodeia não será mais a mesma, porque essas pessoas fazem parte da minha mudança, e que boa mudança!

Gabriela Leal